Arquivos da categoria: Técnicas

Ténicas de fermentação

Kombucha com sabor! – Ilustrado

Existem técnicas interessantes para aperfeiçoar o sabor do Kombucha. O uso dessas técnicas pode alterar bastante o sabor da bebida. É um prazer e uma diversão descobrir novos sabores, novas formas de preparo. Essa técnica permite alcançar sabores capazes de satisfazer até os mais exigentes gourmets. É surpreendente o novo leque de possibilidades que se abrem ao se utilizar essa personalização do sabor. Os resultados alcançados são fantásticos! O sabor fica realmente incrível!

Adicionar sabor aos alimentos é uma técnica conhecida da indústria em todo mundo e o intuito é, em primeiro lugar, alcançar uma maior quantidade de consumidores. Diversificar o sabor é um bom negócio e tem proporcionado o aumento nos lucros de diversos segmentos dessa indústria dos alimentos desde o início do processo de industrialização, no século XIX. Ainda é bastante utilizado, notadamente em países como os EUA, nos mais diversos alimentos como iogurtes, sorvetes, refrigerantes, guloseimas, pães, dentre muitos outros. Assim surgem os sorvetes de uva, picolés de limão, refrigerantes de cereja, chicletes de melão, e até mesmo os cruzamentos genéticos entre frutas, verduras, leguminosas. Tudo isso visa agradar a um maior número de pessoas, satisfazer os mais diversos gostos, aumentar as vendas e os lucros enfim.

E isso não poderia ser diferente com o Kombucha. Existem diversas empresas no mundo todo produzindo Kombucha para comercializar. Hoje encontramos em algumas cidades dos EUA e da Alemanha o Kombucha pronto para beber nas mesmas lojas que encontramos refrigerantes. Para essas empresas se tornou importante conseguir novo público para a bebida e isso vai sendo conseguido com a diversificação no sabor original do Kombucha. O nome que se dá a isso não tem uma tradução exata em português: é Flavored Kombucha. Assim, surgiram o Kombucha com sabor gengibre, pera, uva, morango, limão, cereja, romã, e muitos outros. Isso é uma evolução a meu ver, e espero que um dia possamos consumir Kombucha com a mesma facilidade aqui no Brasil. É uma ótima opção e uma excelente alternativa ao consumo de refrigerantes, notadamente pelas crianças.

Kombucha engarrafado em diversos sabores

Como podemos perceber, adicionar novos sabores ao Kombucha é uma prática bastante interessante. Além de agradar muito àqueles que tem um paladar mais exigente, ainda permite que o Kombucha seja apreciado por aquelas pessoas que tenham alguma resistência ao sabor original da bebida.

Bem, apresento abaixo uma receita ilustrada do Kombucha sabor Gengibre com Limão. Todas as pessoas que experimentaram o Kombucha segundo essa receita acharam o sabor excelente, diferenciado. Algumas pessoas sugeriram mesmo que se montasse uma empresa para produzir o Kombucha com essa técnica, pois o sabor assim agradaria até aos mais exigentes.

Para a receita de Kombucha com Gengibre precisamos de:

  1. Kombucha, de preferência recém saído da primeira fermentação (veja receita clássica);
  2. Gengibre, um pequeno pedaço é o suficiente;
  3. Limão*, esse utilizado na foto é o mais comum (acho que é o tipo taiti);
  4. Garrafa de vidro ou PET com tampa (de preferência de rosca para evitar que a expansão dos gases expulse a tampa).

Portanto vamos começar pegando o Gengibre e o limão.

Gengibre e limão segunda fermentação Kombucha
Gengibre e limão segunda fermentação Kombucha

Agora retiramos do gengibre algumas pequenas fatias, bem finas.

Cortando o gengibre segunda fermentação Kombucha
Cortando o gengibre segunda fermentação Kombucha

Aqui a quantidade de gengibre separado para uma garrafa de 1,5 litros. Não pesei porque acho que é uma média. Para uma receita mais precisa podemos pesar com uma balança digital de cozinha.

Gengibre cortado segunda fermentação Kombucha
Gengibre cortado segunda fermentação Kombucha

Agora pegamos o limão.

Gengibre picado e limão segunda fermentação Kombucha
Gengibre picado e limão segunda fermentação Kombucha

Cortamos algumas pequenas fatias da casca. Acho que fica melhor quando o limão tem a casca mais grossa e podemos tirar uma fatia mais branca. Esse limão que eu utilizo aqui tem a casca bem fina, mas ainda assim serve ao nosso propósito.

Casca de limão para a segunda fermentação do Kombuchá
Casca de limão para a segunda fermentação do Kombuchá

Agora pegamos a garrafa, já devidamente limpa e preparada para receber os ingredientes. Nesse caso foi utilizada uma garrafa de vidro, mas poderia ser uma garrafa do tipo PET, sem maiores problemas. Essa garrafa tem a capacidade para um litro e meio (1,5 litros) porque o objetivo é produzir a bebida para um grupo de pessoas. É recomendável abrir a garrafa e consumir todo o Kombucha na hora porque o sabor dessa fermentação se altera depois da garrafa aberta, como ocorre com um refrigerante, champanhe ou frizante. Garrafas menores são mais adequadas quando produzimos somente para consumo próprio.

Garrafa suco uva segunda fermentação Kombucha
Garrafa suco uva segunda fermentação Kombucha

Colocamos os pedaços previamente cortados do gengibre e do limão dentro da garrafa. Geralmente a boca da garrafa tem um diâmetro pequeno e é por isso que cortamos tanto o gengibre quanto o limão em pequenas fatias.

Colocando gengibre garrafa segunda fermentação Kombucha
Colocando gengibre garrafa segunda fermentação Kombucha

Depois de colocados os pedaços na garrafa, esprememos o limão para retirar o seu suco. Nesse caso eu utilizo o suco de meio (1/2) limão.

Espremendo limão segunda fermentação Kombucha
Espremendo limão segunda fermentação Kombucha

Colocamos o suco do limão na garrafa. E logo depois o Kombucha pronto, produto da primeira fermentação.

Colocando limão segunda fermentação Kombucha
Colocando limão segunda fermentação Kombucha

Deve-se encher a garrafa até completar.

Bico da garrafa segunda fermentação Kombucha
Bico da garrafa segunda fermentação Kombucha

Assim, com a garrafa cheia até o bico, evitamos a presença de ar. O processo dessa fermentação com o objetivo de adicionar sabor a bebida é anaeróbico, isso é, sem a presença de ar. Esse procedimento já foi citado anteriormente, mais detalhes você pode ler nos artigos sobre a segunda fermentação tanto no blog quanto no fórum.

Bico da garrafa segunda fermentação Kombucha
Bico da garrafa segunda fermentação Kombucha

Pronto, agora é só tampar bem a garrafa, com uma tampa de rosca, se possível. Tampas sem rosca como aquelas de plástico para garrafas (compradas em supermercados)  podem não suportar a pressão e a garrafa pode se abrir. As rolhas também são uma boa solução, mas dão mais trabalho para retirar.

Após devidamente lacrada, a garrafa pode ir para o local de descanso no qual permanecerá em média de três (3) a sete (7) dias, dependendo da temperatura ambiente. Quanto mais quente, mais rápido o processo ocorre. A uma temperatura média de 25º centígrados, acredito que uns quatro ou cinco dias sejam suficientes.

Garrafa pronta segunda fermentação Kombucha
Garrafa pronta segunda fermentação Kombucha

Após o período de descanso, no qual a bebida vai adquirir o sabor desejado, ocorrerá a formação de grande quantidade de gases no interior da garrafa. Certo cuidado dever ser tomado no momento de abrir a garrafa, porque provavelmente a bebida irá espirrar por todos os lados. Uma forma de diminuir essa reação é colocar a garrafa na geladeira algumas horas antes de abri-la.

Um bom exemplo é essa imagem de uma fermentação em garrafa do tipo PET de 500 ml na qual adicionei pequenos pedaços de melão. Repare como ficou estufada!

Segunda fermentação com adição de melão
Segunda fermentação com adição de melão

O resultado foi um aumento significativo na intensidade da gaseificação já presente, normalmente, em uma segunda fermentação. A pressão no interior da garrafa aumentou de uma forma tão rápida e intensa que eu imaginei que a garrafa fosse se romper (um dia ainda vou deixar a garrafa lacrada para ver se vai mesmo explodir – apesar de que não sei se isso realmente irá acontecer, afinal o material PET é muito resistente). Repare o tanto que o líquido se deslocou para baixo, sendo que a garrafa foi completamente preenchida antes de fechar. Esse processo ocorreu em 3 dias! Quando abri a garrafa o gás fez com que a metade do líquido vazasse rápida e intensamente da garrafa, espirrando Kombucha por todos os lados de forma incontrolável. Tampei e voltei a abrir somente um pouco para que o gás saísse sem expulsar o líquido, mas o gás permaneceu saindo por 15 ou 20 minutos sem parar. Impressionante. Consegui depois de algum trabalho, abrindo e fechando rapidamente a garrafa, salvar um terço do seu conteúdo. Ficou muito saboroso apesar da bagunça. Esse efeito parece ocorrer com as garrafas PET de forma mais intensa do que com as garrafas de vidro.

Como você deve estar imaginando, podemos utilizar outros sabores. São inúmeras as possibilidades. Não sei se existe algum risco quando misturamos Kombucha com outros alimentos. Acredito que a maioria dos alimentos mais ácidos sejam compatíveis com Kombucha, mas não posso afirmar com certeza. Já testei algumas receitas com melão, maracujá, gengibre, limão. O de maracujá fica muito saboroso, mas temos que colocar pouco porque o sabor é muito marcante e suplanta o sabor do Kombucha. O melão devemos colocar maior quantidade porque o sabor é mais fraco. O meu preferido até o momento é mesmo esse de gengibre com limão, que já se tornou uma receita clássica e está sendo utilizada em todo o mundo.

Algumas frutas tem seu sabor tão presente, tão intenso, tão marcante que podem modificar completamente o gosto final da bebida. Um novo campo para saborosos experimentos se abre. Faça você também as suas experiências, e não deixe de comentar no Fórum KBB.

* As variedades de limão mais conhecidas são: limão-galego – pequeno e suculento, de casca fina, cor verde-clara ou amarelo-clara; limão-siciliano – grande, de casca enrugada e grossa, menos suculento e mais ácido que o galego; limão-cravo – parecido com uma mexerica, tem casca e suco avermelhados e sabor bem forte; limão-taiti – de tamanho médio, casca verde e lisa,muito suculento e pouco ácido.

Segunda fermentação

Depois de algum tempo utilizando o Kombucha, é natural que você perceba que realizar a fermentação por esse processo caseiro leva a resultados não muito homogêneos. Isso é, o processo de fermentação está sempre dependendo de diversos fatores como: clima, qualidade dos ingredientes, forma como é manipulado, quantidades, dentre outros. Assim como outros produtos que utilizam esse processo no seu preparo – a exemplo dos vinhos e espumantes –  Kombucha também possibilita a alteração do seu sabor e do resultado final através de algumas técnicas.

Uma dessas técnicas é o que chamamos entre os apreciadores de Kombucha que conheço como a da segunda fermentação. De fato é uma forma de continuar a primeira fermentação. Algumas pessoas dirão que se trata de uma só fermentação mas é um ponto de vista somente.

Tenho utilizado frequentemente. É um método simples embora não seja exatamente fácil. Não tem nenhum mistério para ser executado, mas como tudo no processo de produção do Kombucha, depende de prática para se perceber alguns detalhes, por exemplo: saber como medir o tempo de fermentação de acordo com a temperatura ambiente; perceber como se encontra o volume da garrafa, se for utilizada garrafa PET; saber como diferenciar entre o tempo necessário para fermentar novamente um chá mais ou menos doce; como tampar a fermentação em garrafas de vidro; além de muitos outros.

Essas práticas eu já experimentei:

Segunda fermentação em garrafa PET

  • Temperatura média ambiente: 25° centígrados. Retirar o Kombucha com seis dias fermentando num recipiente de vidro, segundo a receita clássica. Em seguida, colocar dentro de uma garrafa PET com capacidade para 2,5 litros enchendo até o limite, de modo a evitar ao máximo a presença de ar. A tampa de rosca chega a encostar na superfície do líquido. A garrafa é mantida lacrada em temperatura ambiente durante 5 dias.
  • Noutra garrafa, também PET eu coloquei o restante dessa fermentação. Numa garrafa de 2 litros que ficou pela metade.
  • Depois dessa segunda fermentação anaeróbica a bebida apresenta um sabor mais frisante e menos doce. Aqueles que experimentaram as duas bebidas em minha presença gostaram mais do sabor da que utilizou essa segunda fermentação.
  • Essa prática faz com que se acentue o sabor do Kombucha. Em alguns casos o sabor se assemelha a um refrigerante, em outros se assemelha a um champanhe.
  • Pouco acima me referi a essa fermentação como anaeróbica, mas ela poderia ser chamada de semi-anaeróbica. Isso porque o material utilizado na garrafa PET se expande. E acaba se formando uma nova colônia, muito fina, microscópica em alguns casos.

Abaixo coloco algumas fotos e um vídeo do que ocorre com uma garrafa depois de passados alguns dias:

Essas duas garrafas abaixo estão prontas para iniciar a segunda fermentação. A bebida pronta foi retirada diretamente da primeira fermentação e colocada nessas duas garrafas do tipo PET de renomada marca de refrigerante, reutilizadas.

As garrafas contém chá verde (mais clara) e chá preto, comportam volumes diferentes sendo 2,5 e 2 litros respectivamente, uma delas foi completamente cheia a outra não. Isso parece interferir diretamente na gaseificação. Pessoalmente notei que as garrafas que não estão totalmente cheias realizam esse processo mais rápido provavelmente em função do maior presença de oxigênio. Da mesma forma, essas fermentações com as garrafas não totalmente cheias ou pela metade produzem maior acidificação em menor período. Não estou certo sobre a regularidade desses resultados, é necessário mais pesquisa, maior atenção especificamente a esse processo. O que escrevo aqui é parte de uma observação bastante intuitiva, sem testar o pH, sem anotar, sem documentar. É produto da minha percepção sobre o que eu já realizei.

Garrafas de PET prontas para a segunda fermentação
Garrafas de PET prontas para iniciar a segunda fermentação.
Garrafas de PET prontas para a segunda fermentação
Garrafas de PET prontas para iniciar a segunda fermentação.

Depois de alguns dias temos o resultado: garrafas PET estufadas no limite! Ficam lisas de tanta pressão. Aqueles detalhes de acabamento na garrafa quase desaparecem.  A garrafa fica dura ao toque como se fosse de outro material. Efeito muito semelhante se observa com os refrigerantes: as garrafas ficam tesas parecendo que vão explodir.

Abaixo 2 fotos já publicadas também no fórum KBB no tópico que discute a segunda fermentação. Nelas podemos observar a diferença que apresenta uma garrafa com 10 dias lacrada e outra com 2 dias. A garrafa da esquerda, mais clara, contém chá verde e está a dez dias em processo de segunda fermentação. A garrafa mais escura, da direita, contém chá preto e está a 2 dias no mesmo processo. Em ambas podemos observar formação de nova colônia. Pelos motivos que citei, aparentemente a garrafa mais vazia apresenta uma colônia mais desenvolvida na superfície do líquido apesar do menor prazo lacrada.

Comparação entre as garrafas PET lacradas a alguns dias
Comparação entre as garrafas PET lacradas a alguns dias.

Observe como a tampa também mudou o seu formato, devido a violência da pressão exercida pelos gases no interior da PET:

Comparação entre as tampas das garrafas PET lacradas a alguns dias
Comparação entre as tampas das garrafas PET lacradas a alguns dias.

Como podemos imaginar esse volume tem um limite. Pessoalmente nunca presenciei nenhuma garrafa explodindo. Mas já vi garrafas de vidro terem suas tampas arremessadas depois de retiradas da geladeira e deixadas em temperatura ambiente.

Após esse processo vamos abrir a garrafa e deixar o gás escapar. Abaixo você pode ver um vídeo que apresenta a garrafa sendo aberta diretamente depois de retirada do repouso da segunda fermentação.

Aqui entram alguns detalhes realmente interessantes sobre esse processo. Algumas possibilidades ainda não muito bem testadas e documentadas, mas que podem servir como uma dica de caminho a seguir:

  • Balançar a garrafa durante o processo, diariamente, parece atrapalhar bastante as colônias em formação na garrafa, o que pode ser uma técnica a ser testada no intuito de evitar tal formação.
  • Não percebi diferença significativa entre as fermentações quando mudei de local ou manipulei a garrafa. Isso ocorreu aleatoriamente. Não fiz isso sistematicamente, diariamente.
  • Colocar a garrafa na geladeira depois da segunda fermentação diminui a intensidade da saída dos gases quando abrimos a garrafa. Assim como ocorre com os refrigerantes, o Kombucha depois da segunda fermentação está bastante gaseificado. Se for aberta a garrafa diretamente à temperatura ambiente o efeito será esse observado no vídeo acima. Mas se colocarmos a garrafa na geladeira, o efeito se reduz. É muito semelhante a abrir um refrigerante ou espumante gelado.
  • Como já me referi anteriormente, a primeira fermentação é aeróbica, isso é, necessita da presença de ar e os gases formados se expandem e são liberados. A segunda fermentação tem características anaeróbicas (com a mínima presença de ar ou com total ausência de ar). Não sei se estaria correto dizer que a segunda fermentação realizada em garrafa de vidro seja totalmente anaeróbica e que aquelas realizadas em garrafas do tipo PET poderiam ser consideradas semi-anaeróbicas. Pode ser um neologismo mas representa melhor esse processo que afinal conta com a expansão das garrafas.
  • O processo ocorre mais rapidamente quanto mais quente está a temperatura ambiente.
  • Não testei mas, segundo li, num ambiente com a temperatura controlada essas duas fermentações ocorrem de forma bem mais homogênea e previsível.

Não deixe de ler o tópico no Fórum KBB sobre esse assunto: Segunda fermentação. Dê a sua opinião nesse debate.