Arquivos da categoria: Preparo do chá

________________________________________________________

Segunda fermentação

Depois de algum tempo utilizando o Kombucha, é natural que você perceba que realizar a fermentação por esse processo caseiro leva a resultados não muito homogêneos. Isso é, o processo de fermentação está sempre dependendo de diversos fatores como: clima, qualidade dos ingredientes, forma como é manipulado, quantidades, dentre outros. Assim como outros produtos que utilizam esse processo no seu preparo – a exemplo dos vinhos e espumantes –  Kombucha também possibilita a alteração do seu sabor e do resultado final através de algumas técnicas.

Uma dessas técnicas é o que chamamos entre os apreciadores de Kombucha que conheço como a da segunda fermentação. De fato é uma forma de continuar a primeira fermentação. Algumas pessoas dirão que se trata de uma só fermentação mas é um ponto de vista somente.

Tenho utilizado frequentemente. É um método simples embora não seja exatamente fácil. Não tem nenhum mistério para ser executado, mas como tudo no processo de produção do Kombucha, depende de prática para se perceber alguns detalhes, por exemplo: saber como medir o tempo de fermentação de acordo com a temperatura ambiente; perceber como se encontra o volume da garrafa, se for utilizada garrafa PET; saber como diferenciar entre o tempo necessário para fermentar novamente um chá mais ou menos doce; como tampar a fermentação em garrafas de vidro; além de muitos outros.

Essas práticas eu já experimentei:

Segunda fermentação em garrafa PET

  • Temperatura média ambiente: 25° centígrados. Retirar o Kombucha com seis dias fermentando num recipiente de vidro, segundo a receita clássica. Em seguida, colocar dentro de uma garrafa PET com capacidade para 2,5 litros enchendo até o limite, de modo a evitar ao máximo a presença de ar. A tampa de rosca chega a encostar na superfície do líquido. A garrafa é mantida lacrada em temperatura ambiente durante 5 dias.
  • Noutra garrafa, também PET eu coloquei o restante dessa fermentação. Numa garrafa de 2 litros que ficou pela metade.
  • Depois dessa segunda fermentação anaeróbica a bebida apresenta um sabor mais frisante e menos doce. Aqueles que experimentaram as duas bebidas em minha presença gostaram mais do sabor da que utilizou essa segunda fermentação.
  • Essa prática faz com que se acentue o sabor do Kombucha. Em alguns casos o sabor se assemelha a um refrigerante, em outros se assemelha a um champanhe.
  • Pouco acima me referi a essa fermentação como anaeróbica, mas ela poderia ser chamada de semi-anaeróbica. Isso porque o material utilizado na garrafa PET se expande. E acaba se formando uma nova colônia, muito fina, microscópica em alguns casos.

Abaixo coloco algumas fotos e um vídeo do que ocorre com uma garrafa depois de passados alguns dias:

Essas duas garrafas abaixo estão prontas para iniciar a segunda fermentação. A bebida pronta foi retirada diretamente da primeira fermentação e colocada nessas duas garrafas do tipo PET de renomada marca de refrigerante, reutilizadas.

As garrafas contém chá verde (mais clara) e chá preto, comportam volumes diferentes sendo 2,5 e 2 litros respectivamente, uma delas foi completamente cheia a outra não. Isso parece interferir diretamente na gaseificação. Pessoalmente notei que as garrafas que não estão totalmente cheias realizam esse processo mais rápido provavelmente em função do maior presença de oxigênio. Da mesma forma, essas fermentações com as garrafas não totalmente cheias ou pela metade produzem maior acidificação em menor período. Não estou certo sobre a regularidade desses resultados, é necessário mais pesquisa, maior atenção especificamente a esse processo. O que escrevo aqui é parte de uma observação bastante intuitiva, sem testar o pH, sem anotar, sem documentar. É produto da minha percepção sobre o que eu já realizei.

Garrafas de PET prontas para a segunda fermentação
Garrafas de PET prontas para iniciar a segunda fermentação.
Garrafas de PET prontas para a segunda fermentação
Garrafas de PET prontas para iniciar a segunda fermentação.

Depois de alguns dias temos o resultado: garrafas PET estufadas no limite! Ficam lisas de tanta pressão. Aqueles detalhes de acabamento na garrafa quase desaparecem.  A garrafa fica dura ao toque como se fosse de outro material. Efeito muito semelhante se observa com os refrigerantes: as garrafas ficam tesas parecendo que vão explodir.

Abaixo 2 fotos já publicadas também no fórum KBB no tópico que discute a segunda fermentação. Nelas podemos observar a diferença que apresenta uma garrafa com 10 dias lacrada e outra com 2 dias. A garrafa da esquerda, mais clara, contém chá verde e está a dez dias em processo de segunda fermentação. A garrafa mais escura, da direita, contém chá preto e está a 2 dias no mesmo processo. Em ambas podemos observar formação de nova colônia. Pelos motivos que citei, aparentemente a garrafa mais vazia apresenta uma colônia mais desenvolvida na superfície do líquido apesar do menor prazo lacrada.

Comparação entre as garrafas PET lacradas a alguns dias
Comparação entre as garrafas PET lacradas a alguns dias.

Observe como a tampa também mudou o seu formato, devido a violência da pressão exercida pelos gases no interior da PET:

Comparação entre as tampas das garrafas PET lacradas a alguns dias
Comparação entre as tampas das garrafas PET lacradas a alguns dias.

Como podemos imaginar esse volume tem um limite. Pessoalmente nunca presenciei nenhuma garrafa explodindo. Mas já vi garrafas de vidro terem suas tampas arremessadas depois de retiradas da geladeira e deixadas em temperatura ambiente.

Após esse processo vamos abrir a garrafa e deixar o gás escapar. Abaixo você pode ver um vídeo que apresenta a garrafa sendo aberta diretamente depois de retirada do repouso da segunda fermentação.

Aqui entram alguns detalhes realmente interessantes sobre esse processo. Algumas possibilidades ainda não muito bem testadas e documentadas, mas que podem servir como uma dica de caminho a seguir:

  • Balançar a garrafa durante o processo, diariamente, parece atrapalhar bastante as colônias em formação na garrafa, o que pode ser uma técnica a ser testada no intuito de evitar tal formação.
  • Não percebi diferença significativa entre as fermentações quando mudei de local ou manipulei a garrafa. Isso ocorreu aleatoriamente. Não fiz isso sistematicamente, diariamente.
  • Colocar a garrafa na geladeira depois da segunda fermentação diminui a intensidade da saída dos gases quando abrimos a garrafa. Assim como ocorre com os refrigerantes, o Kombucha depois da segunda fermentação está bastante gaseificado. Se for aberta a garrafa diretamente à temperatura ambiente o efeito será esse observado no vídeo acima. Mas se colocarmos a garrafa na geladeira, o efeito se reduz. É muito semelhante a abrir um refrigerante ou espumante gelado.
  • Como já me referi anteriormente, a primeira fermentação é aeróbica, isso é, necessita da presença de ar e os gases formados se expandem e são liberados. A segunda fermentação tem características anaeróbicas (com a mínima presença de ar ou com total ausência de ar). Não sei se estaria correto dizer que a segunda fermentação realizada em garrafa de vidro seja totalmente anaeróbica e que aquelas realizadas em garrafas do tipo PET poderiam ser consideradas semi-anaeróbicas. Pode ser um neologismo mas representa melhor esse processo que afinal conta com a expansão das garrafas.
  • O processo ocorre mais rapidamente quanto mais quente está a temperatura ambiente.
  • Não testei mas, segundo li, num ambiente com a temperatura controlada essas duas fermentações ocorrem de forma bem mais homogênea e previsível.

Não deixe de ler o tópico no Fórum KBB sobre esse assunto: Segunda fermentação. Dê a sua opinião nesse debate.

O preparo para a fermentação – Ilustrado

Penso que é interessante visualizar o processo do preparo. Nesse momento resolvi documentar passo a passo o preparo do Kombucha. Espero que possa ser útil para comparação: é uma forma de fazer, a mais prática e típica. Existem diversas outras formas de preparo envolvendo métodos, recipientes e ingredientes diferentes desses aqui apresentados.

Bem, vamos começar então. Dia típico, Kaik sempre por perto interessado… é um cão que usa Kombucha!

Primeiro passo:

Kaik pensando

Realmente, precisamos de água.

Pois é, esse tipo de galão de 20 Litros de água mineral é bastante comum. Se não encontrar um desses use o que encontrar, mas não utilize água da torneira porque contém cloro e pode matar a colônia.

Segundo passo:

Daqui pra frente o processo é na cozinha, local de acesso restrito e sendo assim, o meu amigo peludo não pode participar. Tem que ser assim porque agora devemos limpar muito bem o local, lavar as mãos e os utensílios nos quais vamos preparar o chá para fermentação. Mas acho que esse orelhudo vai querer mesmo é tirar uma soneca…

Agora vamos preparar o chá: coloquei cerca de 3 litros de água numa panela de aço inoxidável. Outros materiais que podem ser utilizados: vidro e cerâmica. Não utilize nunca panelas de alumínio ou ferro porque prejudica o processo de fermentação. (existem artigos sobre esse assunto no Blog)

Vamos colocar a água para ferver.

Terceiro passo:

Misturar o açúcar refinado na água fervendo.

Normalmente para o volume de 3 litros de água eu utilizo 1 mais 1/4 desses copos grandes. Corresponde a uns 300 gramas aproximadamente. Algumas pessoas utilizam mais, outras menos.

Quarto passo:

Pegar o chá, que nesse caso é o chá-preto (Camellia sinensis), e que pode ser encontrado em supermercados. É bem comum e fácil de encontrar. Existem diversas marcas, e acredito que somente os mais exigentes notariam diferenças significativas no sabor final da bebida dependendo da marca utilizada. Podemos utilizar também o chá-verde que é a mesma planta – o processamento da planta é que difere.

Desligar o fogo e colocar os saquinhos na panela com a água doce logo em seguida.

Após 10 ou 15 minutos, retirar os saquinhos. Se você se esquecer dos saquinhos, até mesmo por horas, não tem muito problema, pode ser utilizado ainda. Só observe se não entrou nenhum inseto. O sabor vai ficar bem acentuado, mas não atrapalha a fermentação.

Quinto passo:

Devemos colocar o chá num recipiente adequado para a fermentação. Isso pode ser feito com o chá quente ou frio. Nesse caso eu utilizo um desses vidros usados para guardar biscoitos ou mantimentos.

Sexto passo:

Vamos colocar a colônia dentro do chá. Mas preste atenção, isso não pode ser feito com o chá quente! a colônia normalmente não sobrevive a isso.

Retiramos as colônias guardadas na geladeira.

Que beleza!

Vamos agora colocar uma dessas colônias dentro do vidro com chá à temperatura ambiente. Note que nesse caso eu não utilizei o Kombucha pronto. As receitas mais tradicionais recomendam a utilização de uma porção de 10% (do volume do vidro por exemplo) de Kombucha pronto no intuito de proteger a fermentação contra bactérias nocivas. Na prática pode ocorrer a aceleração da fermentação, o que não é desejável para mim porque moro num local quente e normalmente a receita padrão com o Kombucha pronto adicionado avinagra ou fica muito ácido já em 4 ou 5 dias. E é mais difícil para controlar o grau de acidez, sendo que a cada nova fermentação fica mais ácida. Colocando a colônia no vidro somente com chá doce pode ser uma solução para isso. Sem os 10% da bebida pronta e mesmo no inverno, retiro da primeira fermentação com 6 ou 7 dias. (falei em ‘primeira fermentação’ porque existe a possibilidade de se fazer outros processos de fermentação, após a bebida pronta. Mais detalhes nesse artigo – leia mais).

Mergulhando…

Sétimo passo:

Precisamos agora de algum material para tampar a boca do vidro no intuito de evitar a entrada de insetos e outros possíveis agressores. E outro para amarrar.

Eu utilizo um tipo de pano que acho bastante prático, encontrados também com facilidade para uso na cozinha. Para amarrar eu utilizo fios encapados parecidos com aqueles de amarrar saco de pão, mas que são vendidos em rolos – não sei se é fácil encontrar, talvez em lojas de material para construção.

Fechando a boca do vido: colocamos o pano dobrado e amarramos.

Oitavo e último passo:

Encontrar um local adequado para a fermentação do Kombucha. Alguns critérios devem ser observados para a escolha do local: arejado, mas não excessivamente; escuro preferencialmente, mas a mudança da luz do dia para a noite ou mesmo acender uma lâmpada por algum tempo não impedem a fermentação; tranquilo, nesse caso precisamos de um local que permita que o vidro permaneça imóvel e de preferência não precise ser tocado até o final do processo.

Agora é só aguardar. Normalmente são entre 6 e 10 dias dependendo da temperatura ambiente. Em alguns dias percebemos um odor parecido com o do vinagre no local de fermentação.

Nesse período de tempo uma nova colônia está se formando acima da colônia que colocamos no vidro. Passados os dias necessários para a fermentação e se tudo ocorrer de forma correta, teremos duas colônias de Kombucha. Esse procedimento vamos realizar em outro artigo no Blog em breve.

Tempo necessário para a fermentação

Quando preparamos o Kombucha seguindo a receita básica observamos que depois de pronto o chá e adicionada a colônia, devemos deixar que descanse por alguns dias. Mas qual é o prazo ideal para a fermentação?

  • Em condições normais e à temperatura ambiente, o tempo de fermentação ira depender principalmente das condições climáticas: quanto mais quente, mais rápido o processo;
  • Para a produção de uma bebida adequada – nem muito doce nem muito ácida, mas mantendo um pouco do sabor doce e um pouco do azedo simultaneamente – deixamos fermentar em local propício, sem fumaça, sem luz direta do sol e sem que se movimente o recipiente.
  • Esse tempo de “descanso” pode variar entre 4 e 12 dias de acordo com as condições climáticas – assim, quanto mais frio, mais tempo precisamos para a fermentação adequada.

Fermentação

Para mais detalhes sobre a produção em clima quente, com temperaturas acima de 20 graus, clique aqui.

Para mais detalhes sobre a fermentação em climas mais frios, clique aqui.

Posso mesmo preparar o chá em casa?

Claro que pode! O preparo em casa não tem nenhum mistério, e a observação principal que se deve fazer é: se a colônia não está com aspecto de estragada quando for retirar o cultivo.

Um texto interessante fala sobre a insegurança daqueles que iniciaram agora o cultivo do Kombucha:

“Cada um pode preparar a bebida do Kombuchá em sua própria casa por alguns trocados. Uma vez que o cogumelo do chá se multiplica continuamente, pode-se começar com um pedacinho e deixar borbulhar uma fonte de bebida estimuladora da saúde. A preparação é sem problemas, quando é feita corretamente. A bebida do Kombuchá é preparada desde eras remotas e este é passado adiante, de famíla em famíla, como sinal de amizade e de ajuda mútua. Ele possui uma grande vitalidade e uma grande capacidade de regeneração. Se ele não possuísse esta grande força biológica vital, não teria sobrevivido ao longo período desde sua suposta descoberta no reino da China há mais de 2000 anos até hoje.

Hoje – na maior parte das vezes por ignorância ou por interesses econômicos – oportunamente se alerta as pessoas para não prepararem sua própria bebida de Kombuchá. Quando isto acontece, então eu recomendo: descubra de quem vem o conselho. É competente este que se mete neste assunto de Kombuchá? Em que se apóia sua opinião? Quais interesses estão atrás disto? Binder e Wahler (1988, pág. 91) escrevem: “Com estudos científicos demonstra-se hoje tudo o que for possível”. E o Dr. Bruker diz (1989, pág. 7): “Informação objetiva e livre de interesses tornaram-se uma raridade em nosso tempo”.

Advertências contra a preparação própria da bebida do Kombuchá são, em todo caso, justificáveis, quando tiver sido perdido o conhecimento sobre o exato “como, com que, porque, etc.” e as pessoas então fazem muitas coisas erradas, com todo tipo de experimentações, em vez de se aterem a receitas confiáveis. Mas quando se trabalha de forma limpa e se a gente se atém a instruções comprovadas, então não subsistem preocupações em preparar a bebida em casa como ocorre desde gerações. Quem possui o conhecimento necessário pode lidar com sucesso com o cogumelo do chá – assim como também lida com outros alimentos “abertos” em sua casa. Quem se atém às velhas regras aprovadas poderá preparar uma bebida de Kombuchá perfeita, saborosa, benéfica e eficaz. O cogumelo vai se multiplicar e acompanhar seu proprietário pela vida e realizar coisas boas. ”

retirado de http://www.kombu.de/port-11.htm

Ingredientes básicos para o preparo

O chá de Kombucha é feito a partir de quatro ingredientes básicos: a água, o açúcar, o chá e claro a colônia.

  1. A água – deve ser dado preferência a água mineral, de fonte natural. Escolha um bom fornecedor e compre galões de 20 litros. Deve se evitar o uso de água da torneira, por causa da presença de cloro e outras substâncias que poderiam ser prejudiciais à colônia.
  2. O açúcar – ocorre aqui um erro comum, preste atenção: por ser um produto natural e que faz bem para a saúde, grande parte das pessoas acredita que o melhor seria utilizar o açúcar mascavo. Não utilize açúcar mascavo! A colônia “gosta” do açúcar ‘ruim’ mesmo! açúcar refinado, ou, no caso de não ter o refinado, o cristal.
  3. O chá – apesar de existirem diversas receitas utilizando outros tipos de chá, ou mais de um tipo de chá ao mesmo tempo, os tipos Chá preto e Chá Verde são os que, aparentemente, fornecem os nutrientes mais indicados à colônia e são o melhor meio de cultivo portanto. Muitas referências ao uso alternado dos chás são encontradas também. (veja na seção de dicas de preparo).
  4. A colônia – uma colônia saudável é suficiente para uma cultura, independente aqui de quantos litros de chá são utilizados.

Colônia

Receita “clássica” para o preparo do chá

Receita de preparo do Kombucha

  • Um cultivo bom de Kombucha
  • ¼ de litro de chá já fermentado (bebida pronta)
  • 250 gramas de açúcar branco (o refinado apresentou os melhores resultados)
  • 3 litros de água mineral pura e sem cloro
  • 4 bolsas pequenas de chá preto sem presilhas metálicas
  • Uma panela grande de aço inoxidável ou vidro
  • Um recipiente de vidro ou plástico para realizar a fermentação
  • “Perfex” ou pano de prato limpo para tampar o recipiente de vidro
  • Elástico ou “fio” para segurar o pano (elásticos ruins se rompem)

Isso não é uma receita exata, sendo assim, existem formas de produzir a fermentação somente com a colônia, ou com volumes e medidas de ingredientes diferentes. Com o tempo e as novas experiências, descobriremos formas diversas de produzir a bebida. Mas a princípio podemos utilizar essa receita.

É necessário lavar bem as mãos com sabão, tirar os anéis metálicos e limpar também, cuidadosamente, as superfícies sobre as quais serão colocados os objetos que irão entrar em contato com o cultivo ou com o chá.

1. Ferver 3 litros de água – melhor se for mineral – em uma panela de aço inoxidável. Evitar qualquer utensílio de alumínio.
2. Deixar que ferva durante 5 a 10 minutos e, então, adicionar uma taça de açúcar branco (250 gramas, aproximadamente) e deixar ferver por mais 2 ou 3 minutos.
3. Desligar o fogo e introduzir de 4 a 6 bolsas pequenas de chá preto sem presilhas metálicas. (a gosto)
4. Deixar que o chá descanse na água entre 15 e 20 minutos.
5. Passado esse tempo, retirar as bolsas do chá e deixar que o líquido se esfrie. Quando atingir a temperatura do ambiente, passar o líquido para o recipiente de vidro onde ocorrerá a fermentação.
6. Adicionar ¼ do chá já fermentado.
7. Colocar com cuidado o cultivo sobre a superfície do líquido com a parte mais fina e clara para cima e a parte mais rugosa e escura para baixo. Não importa se o cultivo afundar ou virar.
8. Colocar um pano sobre a boca do recipiente de fermentação e prendê-lo firmemente com um elástico, fio ou barbante.
9. Colocar o recipiente em um lugar tranqüilo, onde não receba fumaça de cigarro, esporos de plantas, nem raios diretos do sol.

Deixar repousar entre 5 e 14 dias dependendo da temperatura ambiente e da época do ano. Entretanto, pode-se, no calor,  provar a partir do 3º dia com uma colher de madeira ou plástico (nunca alumínio) já que em cada local a fermentação procede de maneira singular. Ou seja, quanto mais quente o ambiente, mais rápido a fermentação ocorrerá. O paladar se assemelhará ao de um guaraná ou champagne, inclusive desprendendo algumas bolhas. Não há regra fixa, o gosto do interessado é que decidirá se está pronto ou se vale esperar mais uns dias.

OBS: Durante a fermentação, desprenderá um certo odor ácido ou avinagrado. É necessário considerar esse fato na hora de selecionar o lugar onde se vai deixar o recipiente. Uma vez em seu lugar, não é conveniente movê-lo, pois isso pode alterar e atrasar o processo, inclusive se for provar a bebida durante a fermentação, tente fazê-lo de forma a movimentar o mínimo possível o líquido ou a colônia.

10. Ao retirar o pano, veremos que na superfície terá se formado outro cultivo (o “filho”). Se o primeiro cultivo ficou em cima, talvez os dois estejam pregados e será necessário separá-los. Se for necessário separá-las dê preferência ao filho pois deverá ser usado na próxima fermentação.
11. Passar o chá para garrafas e guardá-lo em geladeira para o consumo diário. As garrafas não devem ser cheias até em cima e é conveniente utilizar tampas de plástico sem rosca para evitar que o gás carbônico desprendido estoure a garrafa. Mesmo em menor ritmo, o processo de fermentação segue na geladeira. ATENÇÃO: É recomendável deixar uns 10% do líquido fermentado para adicioná-lo a uma nova fermentação. Isso não é obrigatório. Se a fermentação em tempo normal está gerando bebidas avinagradas ou muito ácidas é recomendável realizar a fermentação sem os 10% de Kombucha pronto. Lembrando que no calor ou em lugares muito quentes a fermentação ocorre mais rápidamente. O único cuidado real que você tem que tomar é assegurar-se de que a colônia não tenha mofo.
(leia mais aqui: Colônia com mofo)

12. Iniciar todo o processo de novo. Para a fermentação seguinte pode-se utilizar indistintamente o cultivo novo ou o velho – o mais novo parece mais eficiente para a fermentação na maior parte dos casos. Caso queira guardar o cultivo para começar o processo em uma outra ocasião, não há problema. Ponha cada cultivo em um recipiente menor juntamente com os 10% do líquido já fermentado. E lembre-se a tampa deve ser de plástico e sem rosca. Mais informações leia também Onde guardar as colônias?

Em caso de não dispor de uma panela com capacidade para 3 litros ou de um recipiente de fermentação que não seja suficientemente grande, se pode efetuar todo o processo com uma quantidade de água menor ajustando, proporcionalmente, as doses de chá e açúcar. O volume da colônia também influencia o resultado final, mas no nosso caso não é o mais importante. Deve-se ter em conta que uma colônia de tamanho médio tem cerca de 5 a 10 cms de diâmetro, é fina como um ovo frito e pesa em torno de 100 a 200 gramas. É possível utilizar medidas exatas utilizando uma balança digital de cozinha.

O sedimento de levedura que se vai formando no recipiente de fermentação pode ser deixado, mas a cada 2 ou 3 meses é conveniente tirá-lo e lavar a vasilha com água muito quente.

O açúcar aqui é utilizado como alimento para as bactérias e leveduras. Quando finalmente formos tomar o chá, a quantidade de açúcar presente nele será mínima.

Uma grande parte do açúcar que se adiciona ao chá é convertida em álcool (0,4 a 0,5%) que, por sua vez, a partir do 5° ou 6° dia começa a ser transformado em ácido acético .

No lugar de chá preto pode ser usado o chá verde. Porém, nas literaturas, os autores enfatizam sua preferência pelo chá preto, pois argumentam que ele usado junto ao Kombuchá tem mais efeitos benéficos para o nosso organismo. A colônia parece gostar mais do chá verde e aparentemente se reproduz mais rapidamente nesse chá. De fato os dois chás, o preto e o verde são da planta Camellia sinensis, ambos são fermentados, sendo que o verde é menos fermentado. Existe também da mesma planta o chá não fermentado ou chá branco.

O Kombuchá necessita de oxigênio para desenvolver seus processos metabólicos.
Por isso é conveniente que a boca do recipiente onde a fermentação se efetuará seja o mais larga possível pois, deste modo, será maior a superficie de contato com o ar. Conseqüentemente, será mais rápido o processo de fermentação.
O pano que cobrirá o recipiente deve protegê-lo dos insetos, mas não deve impedir que o ar passe .

O Kombuchá não necessita de luz para fermentar e ocorre bem à temperatura ambiente, entre os 20 e 30 grau centígrados. O recipiente de fermentação não deve ser movido uma vez iniciado o processo. A cozinha que por sua temperatura mais elevada poderia parecer um bom lugar, não o é, pois os vapores que se desprendem ao cozinhar incidem negativamente sobre a fermentação.

Se alguma vez, por acaso, uma fermentação se converter em vinagre não se desfaça dela. De certo é um vinagre de qualidade singular e sabor diferenciado e pode ser utilizado como tal. As qualidades saudáveis do Kombuchá estão todas nele, potencializadas e multiplicadas.

Adicionando os 10% de chá já fermentado e certificando-se de que o pano que cobre a vasilha deixe entrar livremente o ar, é pouco provável que se origine o tão temido mofo. Quando aparece, costuma formar pequenas ilhas sobre o cultivo “filho” ou boiando sobre a superfície do chá. Seu aspecto é filamentoso semelhante a qualquer outro tipo de mofo. Sua cor pode ser negra, verde, arroxeada, amarelada ou branca (muito branca, diferente do restante da colônia). Se isto ocorrer, meu conselho é desfazer-se de tudo, o chá, o cultivo “mãe” e o cultivo “filho” e, em seguida, lavar bem a vasilha com água fervendo, começando uma nova fermentação com um cultivo são. Leia também Colônia com mofo.

Muitas vezes, no “filho” se formam bolhas, mas isso é normal e não tem nada a ver com o mofo. Também são normais pedaços de cor marrom escuro que surgem na parte inferior do cultivo, em sua maior parte se tratam de células mortas de levedura. Outras vezes, o cultivo forma umas pequenas ilhas de cor esbranquiçada que flutuam sobre o chá. É normal e em 2 ou 3 dias essas ilhas irão aumentar até cobrir toda a superfície.

Os cultivos que não serão usados para uma nova fermentação devem ser descartados no lixo orgânico ou doados a alguém que queira experimentar o Kombuchá. Alguns textos dizem que não devemos, de maneira alguma, descartar nas pias ou vasos sanitários, pois os cultivos poderão crescer até obstruir seu encanamento no caso de contarem com alimento abundante (açúcar). Apesar de que eu pessoalmente nunca tenha lido ou ouvido falar de alguém que tivesse esse problema. Da mesma forma já li que num ambiente tão contaminado a colônia morreria ou seria alimento para outras formas de vida.